Você está aqui:
25 ª Semana Mundial de Amamentação é lançada no Paraná Paraná 

25 ª Semana Mundial de Amamentação é lançada no Paraná

O Paraná sediou o lançamento nacional da 25ª Semana Mundial de Amamentação. O evento aconteceu no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. O objetivo da comemoração é intensificar as ações de incentivo ao aleitamento materno. A programação também incluiu palestras e debates acerca do tema.

Para integrar a rotina materna e a amamentação, o Paraná desenvolve a estratégia nacional Mulher Trabalhadora que Amamenta. A política pública incentiva que empresas garantam a licença-maternidade de seis meses; dêem acesso a creches e vale-creches; e, principalmente, implementem salas de apoio à amamentação.

“Incentivamos cada vez mais empresas a organizarem locais adequados onde a mulher, quando retorna da licença-maternidade, possa retirar e armazenar o leite. O Paraná é o estado do Sul que mais têm salas de apoio à amamentação. São 15 espaços certificados e damos apoio para que esse número aumente cada vez mais”, ressalta o secretário de Estado da Saúde em exercício, Sezifredo Paz.

Dez salas foram certificadas no evento desta sexta-feira (04): Copel Distribuição (Londrina); Copel Distribuição Atuba (Curitiba); Copel Santa Quitéria (Curitiba); Copel GET Padre Agostinho (Curitiba); Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional (Fepe/Curitiba); Hospital e Maternidade Nossa Senhora Aparecida (Fazenda Rio Grande); Mondelez (Curitiba); Secretaria de Estado da Saúde do Paraná; Hospital Nossa Senhora do Rocio (Campo Largo); e Hospital do Trabalhador (Curitiba).

De acordo com a enfermeira da Superintendência da Atenção à Saúde, Cibele da Luz, empresas que aderem a esta iniciativa tendem a ter menos problemas com a ausência de funcionárias para tratar de problemas de saúde dos filhos, uma vez que as crianças amamentadas no peito adoecem menos.

Doação de leite materno

A servidora da Secretaria de Estado da Saúde, Juliana Cequinel, utiliza a Sala de Apoio da instituição para extração do leite diariamente. O leite é oferecido à filha de um ano e dois meses e o excedente é doado a bancos de leite para distribuição a recém-nascidos prematuros. No Paraná são 10 bancos em nove cidades do Estado e 14 postos.

“Se há leite é importante que seja feita essa doação para ajudar outros bebês que estão precisando desse alimento. E ter um espaço apropriado para isso é um grande incentivo. Leite materno é amor na forma líquida”, fala Juliana.

Para se tornar doadora a mulher deve ter excesso de leite, ser saudável, não usar medicamentos que impeçam a doação e se dispor a extrair o leite que sobra. Também é possível contribuir com este trabalho doando frascos vazios para o armazenamento do leite. Os frascos devem ser de vidro com tampa de plástico.
Confira os locais para doação do leite ou dos frascos no Paraná.

Colaboração AEN

Compartilhe!

Deixe um Comentário