Como os testes de Facebook usam seus dados pessoais – e como empresas ganham dinheiro com isso

Eles são tentadores, muito curiosos e quase irresistíveis. “Com qual celebridade você se parece?” ou “Como você seria se fosse do gênero oposto?” – são as perguntas que vêm junto com testes aparentemente inofensivos e que acabam super compartilhados no Facebook.

No entanto, o perigo deles está justamente nos dados que você concorda em ceder para que o aplicativo te devolva o resultado.

“O principal gatilho da rede social é o efeito de comunidade. Todo mundo começa a fazer o teste, aí vem o efeito da curiosidade, do divertido, ele começa a viralizar”, pontuou a especialista em marketing digital e Facebook Ads, em entrevista à BBC Brasil.

“Existem várias empresas que usam os testes como ferramenta de coleta de dados de pessoas que estão interessadas em determinada coisa. A partir do momento que eu tenho pessoas que se interessam por esse tema, eu vendo essa base de dados”, explicou.

“Muitas vezes essa ferramenta de coleta de dados pode não ser para uma coisa positiva. E há um risco que as pessoas correm quando começam a liberar dados, fotos delas, sem saber para quem esses dados estão indo e o que pode ser feito depois.”

No caso do último teste que viralizou no Facebook, para fazê-lo, o usuário concordava em dar acesso a seu nome, foto de perfil, idade e data de nascimento, endereço de e-mail e todas as suas fotos (as que ele próprio postou e as outras em que foi marcado).

Informações como essas são valiosas para empresas direcionarem melhor seus anúncios e obterem mais resultados. Há algumas, inclusive, que vivem de vender dados para outras. Testes como esses que viralizam no Facebook, em geral, têm a ver com alguma ação desse tipo por parte delas – uma forma de engajar os usuários e, ao mesmo tempo, conseguir acesso a dados deles, que autorizam isso muitas vezes sem ler os chamados “termos de uso”.

“As pessoas embarcam em jogos ou desafios sem ter noção de quem está promovendo aquilo. Então eu diria que a principal recomendação é conter aquela vontade súbita de fazer esses jogos e testes”, alertou Thiago Tavares, presidente da Safernet, ONG dedicada a questões sobre segurança na internet.

“Eu me lembro de uma pesquisa em que veicularam um anúncio ‘clique aqui pra infectar seu computador’ e teve gente que clicava. Então é importante ver até que ponto a curiosidade faz o usuário tomar atitudes sem prever consequências”, acrescenta.

Para Tavares, isso tudo faz parte do “amadurecimento do usuário”. Assim como, no passado, as pessoas clicavam para abrir quaisquer e-mails que recebiam – e, muitas vezes, acabavam tendo o computador infectado por um vírus nessa simples ação – e hoje já têm mais cuidado quanto a isso, no caso das redes sociais o processo será o mesmo.

“Antigamente, todo mundo saía comprando em qualquer site. Hoje, o usuário tem mais cautela, pra não ter seu cartão clonado. O vírus em e-mails também, a maioria dos usuários reconhece e não clica. No entanto, nas redes sociais, as pessoas ainda não reconhecem esses ‘golpes’ que são aplicados explorando a curiosidade, as relações humanas, para gerar engajamento. Esses dados são coletados para gerar lucros pra quem coleta ou até para agências de inteligência em caso de campanhas eleitorais, etc”, explicou.

Como funciona a monetização do Facebook?
Reunindo mais de 2 bilhões de usuários ao redor do mundo, o Facebook possibilita às empresas fazerem anúncios na plataforma oferecendo a elas um público mais segmentado e a um custo relativamente baixo, conforme explica a especialista Camila Porto.

“A chegada das redes sociais foi, em primeiro lugar, uma oportunidade dos pequenos negócios de falar com os clientes de forma gratuita ou com custo muito baixo. Ele investe uma pequena quantia de dinheiro pra falar exatamente com as pessoas que quer falar. Outro ponto é a capacidade de mensuração de resultado. Em outros casos, você faz o investimento e não consegue ter uma métrica que te diga quantas pessoas vieram pro seu negócio a partir dele. No Facebook é possível fazer essa análise em tempo real”, afirmou.

“O Facebook te dá a possibilidade de falar com o mundo todo ou então com um público bem segmentado, como por exemplo ‘mulheres de 25 a 35 anos que estão a um quilômetro do seu estabelecimento’.”

Por meio desses dados “preciosos” sobre os usuário, o Facebook tem atraído cada vez mais empresas que patrocinam conteúdos na rede social. Segundo dados oficiais de abril do ano passado, a plataforma já soma 5 milhões de anunciantes publicitários.

“Tem uma frase que diz: ‘se você está usando um produto gratuito, o produto é você’. Então a lógica é mais ou menos essa, você usa o Facebook de forma gratuita e, de certa forma, você é o produto. As informações que ele coleta, ele fornece para as empresas em forma de anúncios”, diz Camila Porto.

O Facebook, por sua vez, afirma que tudo o que faz é “para as pessoas” e que deixa claro e público todos os dados que usa. Para uma empresa veicular um anúncio na plataforma, ele precisa ser “bom para as pessoas, proporcionar boas experiências e tem que ser seguro”.

“A privacidade das pessoas no Facebook é nossa prioridade. Qualquer aplicativo compatível com o Facebook precisa seguir nossas políticas da plataforma, que estabelecem uma série de regras para garantir que as pessoas tenham controle da experiência”, afirmou um porta-voz do Facebook em nota.

Legislação e proteção
Quem fez o teste do gênero oposto ainda pode “proteger” seus dados negando o acesso do aplicativo a eles – mesmo que você já tenha dado essa autorização ao concordar com os termos de uso, é possível voltar atrás.

Basta ir na seção de “Aplicativos” nas configurações do Facebook e remover o acesso ao “Kueez”, que era o responsável pelo teste tão viralizado.

No entanto, essa ainda é uma questão sinuosa, conforme explica o presidente da Safernet. Isso porque, mesmo que você retire a autorização dos seus dados para a empresa, caso ela venha a utilizá-los contra a sua vontade, ainda não há uma lei que o proteja contra isso.

“No Brasil, hoje a pessoa não tem mais controle sobre o que farão com seus dados, nem há uma lei que a ampare. Na Europa, por exemplo, existem agências de proteção de dados, tem penas e multas aplicadas. Quem usar dados sem consentimento e sem seguir regras vai pagar multas altíssimas. E lá o usuário vai ter a quem recorrer”, explicou Thiago Tavares.

Segundo ele, há três projetos de lei em tramitação no Congresso a respeito desse tema, mas que estão parados. O especialista compara a importância dessa regulamentação ao código de defesa do consumidor, que foi criado em 1990 para proteger o consumidor de possíveis abusos cometidos por empresas.

“Precisamos de uma lei geral de proteção de dados. Ela representaria hoje o que o código de defesa do consumidor representou na década de 1990. É preciso proteger os dados do usuários das empresas de internet ou de qualquer empresa que colete dados”, reforçou.

Por enquanto, a maior proteção para as pessoas nesses casos envolvendo as redes sociais é “controlar a curiosidade”.

“É preciso resistir à tentação do primeiro clique, não aceitar fornecer dados para quem você não conhece ou para quem você não tem certeza sobre a destinação que será dada para esses dados”, finalizou.

Fonte: BBC Brasil http://www.bbc.com/

Comentários