5 coisas que você faz após malhar e prejudicam o treino e a saúde

Quando a força de vontade ganha da preguiça e você completa aquele treino puxado, a felicidade às vezes é tão grande que você pode se esquecer de alguns cuidados importantes para seu corpo.
São detalhes pequenos, mas que fazem a diferença e podem atrapalhar sua saúde ou sua performance depois de tanto suor.

1 – Parar o exercício de uma vez

Quando corre na esteira, você conta os segundos para apertar o botão vermelho, e faz isso assim que o relógio
marca o tempo de atividade indicado pelo treinador? Pois saiba que o término abrupto do exercício não é bom para o corpo.

Segundo André Feldman, cardiologista do hospital São Luiz, durante a atividade física nós ativamos o sistema
nervoso simpático, que acelera os batimentos cardíacos e aumenta a pressão do sangue. Parar de repente dá um
“choque” no organismo, que ativa o sistema parassimpático, responsável por dilatar os vasos sanguíneos e diminuir a pressão arterial. Isso pode causar tontura, fraqueza e até desmaio.

O ideal é desacelerar aos poucos e dar tempo para o organismo se acostumar com a troca de atividade –ou término
do treino –, evitando sustos, de acordo com o professor de musculação da Academia Competition, Rafael Reis.

2 – Ficar um tempão com as roupas suadas
Permanecer com peças molhadas pode fazer com que apareçam brotoejas. “Elas ocorrem quando a pessoa transpira
em excesso, mas o líquido fica retido na pele e não consegue ser eliminado”, explica Alessandra Romiti,
dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia. As pequenas bolhas geralmente são inofensivas e basta
esperar desinchar. Porém, elas podem ficar avermelhas e inflamadas. Aí, é melhor ir ao médico.
Você também pode ter uma coisinha chamada foliculite, causada pelo atrito constante da roupa molhada com a pele.

Isso tampa os folículos pilosos e forma cravos ou acne mecânica.
Permanecer com roupas molhadas ainda cria um ambiente quente e úmido, propício para a proliferação de fungos
que provocam frieiras, micoses e candidíase.

3 – Sair da academia e ir para a happy hour
“Claro que tudo bem se for um dia, no seu aniversário. Mas tomar bebidas alcoólicas após fazer exercício não é uma
escolha inteligente”, diz Carlos Werutsky, médico do esporte e nutrólogo da Abran (Associação Brasileira de
Nutrologia).

É importante lembrar que o álcool é calórico e não tem nutrientes para repor o que você perdeu no treino. Além disso, possui moléculas tóxicas que sobrecarregam o fígado, que se ocupa metabolizando o álcool e pode esquecer de metabolizar hormônios importantes para a construção muscular e recuperação pós-treino.
Para aumentar a bagunça, durante a atividade física você sua e desidrata, e o álcool potencializa a desidratação –o que pode causar sintomas como fraqueza, dor de cabeça e tontura, além de cãibras, segundo a nutróloga Liliane
Oppermann.

Se for encontrar os amigos no bar depois do treino, beba muita água e invista na água de coco, rica em eletrólitos
que perdemos no suor e que fornece energia. Mas deixe a cerveja para outro momento.

4 – Achar que as calorias gastas no treino permitem a você comer besteiras
“Como malhei, mereço um hambúrguer ou uma pizza”, é o que muitas vezes pensamos, mas pratique o autocontrole.
No pós-treino, o corpo precisa dos nutrientes certos para se recuperar do esforço e fazer com que os resultados
apareçam. De forma geral, um combo de proteínas e carboidratos é o ideal. A proteína é essencial para a construção
muscular e o carboidrato repõe a energia perdida.

Se o objetivo é queimar gordura, tente um pós-treino com frango, salada de rúcula e alface e carboidratos de lenta
absorção, como batata-doce. “Quem quer ganhar massa pode investir em um pouco mais de carboidrato: monte o
prato com 60% de mandioquinha e 40% de frango, por exemplo”, aconselha Oppermann.

Se afaste de lanches pesados. Após o treino, o corpo possui uma janela anabólica, momento em que a entrada de
nutrientes nas células é facilitada, para repor rapidamente os nutrientes perdidos. Se você comer algo gorduroso, em vez de o organismo aproveitar as substâncias ingeridas e “direcioná-lás” para os músculos, ficará com a digestão
lenta e não conseguirá repor ou associar os nutrientes da forma correta.

5 – Usar a mesma roupa várias vezes
Não repita o look na academia e nem reutilize aquela calça que você suou na musculação. Vários fatores facilitam a
proliferação de bactérias na pele, como sua imunidade, as condições da sua pele e o cuidado com o vestuário
(higienização e qualidade dos tecidos).

“A soma da pele quente e úmida com condições desfavoráveis aumenta o risco de infecções fúngicas, bacterianas e
virais”, diz Cassiana Tami Konishi Okada, dermatologista do hospital Santa Cruz.
Como você viu, o tecido molhado é um ambiente propício para bactérias e fungos. E se você utilizar a peça sem lavar vai colocar esses germes diretamente em contato com seu corpo. Caso tenha de usar a roupa mais de uma vez, ao menos deixe ela em local arejado até secar.

“É chegar em casa e tirar a roupa e o tênis. O abafamento da região íntima aumenta risco de doenças chatas como
candidíase, e o calor no pé pode dar micose. Ventile tudo para evitar doenças”, indica Bárbara Murayama,
ginecologista do hospital 9 de Julho.

Escolha tecidos mais arejados, próprios para a prática de atividade física. É mulher e não terá tempo para tomar
banho na academia? Ao menos troque a calcinha e use uma de algodão. Assim que puder, coloque roupas mais
largas, tire o tênis e fique sem calcinha para arejar.

Comentários