Vigilância Sanitária alerta sobre alimentos que ficaram muito tempo em transporte por conta da paralisação

A Vigilância Sanitária solicita a todos os comerciantes para que intensifiquem a fiscalização dos alimentos que chegam a seus comércios. A medida é para assegurar que os produtos que ficaram retidos nas estradas devido à greve dos caminhoneiros cheguem ao destino final em boas condições para consumo. “A vigilância sanitária tem o papel de proteger a saúde dos cidadãos. Neste momento de desabastecimento não podemos descuidar da qualidade dos alimentos”, aleta a responsável pela Vigilância Sanitária em Ubiratã, Laudelina Neves.

 

Dependendo do tipo de produto, a demora na entrega ocasionada pelas paralisações nas estradas pode comprometer a qualidade dos alimentos, tornando-os inadequados para consumo. “É preciso redobrar a atenção na hora de receber os produtos”, comentou.

 

Entende-se por produtos alimentícios perecíveis, todos os alimentos alterável ou não estável à temperatura ambiente, conforme descritos a seguir:

 

I – ovos em casca ou processados, bem como subprodutos;

II – crustáceos, moluscos e frutos do mar vivos ou frescos;

III – todos os alimentos, processados ou não, congelados ou super gelados;

IV – carnes, aves, peixes e derivados;

V – leite in natura e derivados;

VI – leveduras e fermentos;

VII – gelo em cubo;

VIII – frutas, legumes e cogumelos frescos ou crus, processados ou não;

IX – todos os alimentos, que necessitem estar obrigatoriamente em temperaturas estabelecidas por legislação específica.

 

Entre as medidas necessárias para garantir a qualidade dos produtos está à verificação da data de validade, integridade das embalagens e da temperatura de conservação dos alimentos perecíveis, indicados no rótulo dos produtos pelo fabricante. Os veículos transportadores de alimentos também devem apresentar Licença Sanitária e estar adequados para a manutenção higiênica-sanitária dos alimentos.

 

Lembramos ainda que os estabelecimentos comerciais devem verificar a qualidade dos produtos no momento da entrega, conferindo a integridade dos alimentos, prazo de validade e condições de conservação. No caso de congelados, o produto deve manter-se congelado durante todo o processo de transporte e comercialização. Se ocorrer o descongelamento, ele não pode ser recongelado.

 

Os consumidores também precisam ficar alerta à qualidade dos produtos vendidos, verificando o aspecto geral do alimento (coloração, odor, temperatura etc.), data de validade, integridade das embalagens e condições de armazenagem. Os alimentos com indicação de congelamento no rótulo, por exemplo, deverão estar expostos apenas nos balcões de congelados dos supermercados.

 

“Com esses cuidados, o risco de o consumidor levar para casa um produto impróprio para o consumo diminui sensivelmente. No caso de o consumidor encontrar algum problema, poderá fazer sua denúncia pelo telefone 3543-4356 com a Vigilância Sanitária.

Comentários