Suplementos de ômega 3 têm pouco ou nenhum benefício para a saúde cardíaca ou vascular, diz estudo

Uma revisão de estudos publicada nesta quarta-feira (18) pelo Instituto Cochrane reuniu diversos estudos sobre os efeitos do ômega 3 e descobriu que o suplemento fornece pouco ou nenhum benefício na maioria dos resultados que eles observaram.

O Cochrane se dedica a analisar e compilar uma série de estudos de saúde para que os diferentes dados fiquem disponíveis para as pessoas com análises claras sobre os possíveis efeitos na saúde. A instituição independente declara que não recebe patrocínio de empresas para que não haja conflito de interesse nos resultados divulgados.

A revisão publicada na Cochrane Library, combina os resultados de 79 estudos envolvendo 112.059 pessoas. Estes estudos avaliaram os efeitos do consumo de gordura ômega 3 adicional, em comparação com ômega 3 usual ou menor, em doenças do coração e circulação. Vinte e cinco estudos foram avaliados como altamente confiáveis, porque foram bem desenvolvidos e conduzidos.

“A revisão fornece uma boa evidência de que tomar suplementos de ômega 3 (óleo de peixe, EPA ou DHA) não beneficia a saúde do coração ou reduz nosso risco de acidente vascular cerebral ou morte por qualquer causa”, explicou Lee Hooper, da Universidade de East Anglia e um dos autores da revisão.
Ômega 3 é um tipo de gordura. Pequenas quantidades desta gordura são essenciais para uma boa saúde, e elas podem ser encontradas nos alimentos que comemos. De acordo com a revisão, o aumento do consumo de gorduras ômega 3 é amplamente divulgado em todo o mundo por causa de uma crença comum de que ele protegerá contra doenças cardíacas.

Há mais de um mecanismo possível de como estes suplementos podem ajudar a prevenir doenças cardíacas, incluindo a redução da pressão arterial ou a redução do colesterol.

O impacto dos suplementos
Os pesquisadores encontraram evidências de que as gorduras do ômega 3 suplementares tinham pouco ou nenhum efeito significativo sobre o risco de morte por qualquer causa. O risco de morte por qualquer causa foi de 8,8% em pessoas que aumentaram a ingestão de gorduras ômega 3, em comparação com 9% em pessoas nos grupos de controle.

Eles também descobriram que tomar ômega 3, principalmente através de suplementos, provavelmente faz pouca ou nenhuma diferença para o risco de eventos cardiovasculares, eventos de doença coronariana, acidente vascular cerebral ou irregularidades cardíacas.

As gorduras ômega 3 provavelmente reduziram algumas gorduras no sangue, triglicerídeos e colesterol HDL, conhecido como colesterol bom. É provável que a redução dos triglicerídeos seja protetora de doenças cardíacas, mas a redução do HDL tem o efeito oposto.

A revisão dos estudos também concluiu que ingerir ômega 3 através de alimentos como peixes gordurosos tem um pequeno impacto na redução de riscos de alterações cardíacas: de 3,3% para 2,6%. Aumentar o consumo de suplementos de ômega 3 também não mostrou resultados efetivos no controle de peso e gordura do corpo.

“Podemos confiar nas descobertas desta revisão que vão contra a crença popular de que os suplementos de ômega 3 protegem o coração. Os estudos mais confiáveis ​​mostraram consistentemente pouco ou nenhum efeito das gorduras de ômega 3 na saúde cardiovascular”, disse Hooper.
“Por outro lado, enquanto o peixe oleoso é um alimento saudável, não é claro, a partir do pequeno número de tentativas, se a ingestão de peixes mais oleosos protege nossos corações”, acrescenta ele.

Os estudos recrutaram homens e mulheres, alguns saudáveis ​​e outros com doenças na América do Norte, Europa, Austrália e Ásia. Os participantes foram aleatoriamente designados para aumentar suas gorduras de ômega 3 ou manter sua ingestão habitual de gordura por pelo menos um ano.

A maioria dos estudos investigou o impacto de dar um suplemento de ômega 3 a longo prazo em forma de cápsula e o comparou a um placebo. Apenas alguns avaliaram a ingestão através de peixes.

Outros estudos
Em 2016, um estudo publicado na revista médica “JAMA Internal Medicine” analisou os níveis de ômega 3 no sangue e nos tecidos de participantes de 19 estudos realizados em 16 países. Na época, o consumo de ácidos graxos ômega 3, pela ingestão de peixes como salmão, sardinha e anchova, estava ligado a uma redução de 10% do risco de morrer por ataque cardíaco.

Os pesquisadores descobriram que o ômega 3 “estava associado com um risco cerca de 10% menor de ataques cardíacos fatais”, mas que essa mesma correlação não foi observada no caso dos infartos não mortais.

Isso sugere “um mecanismo mais específico para os benefícios do ômega 3 relacionados com a morte”, disseram os pesquisadores.

Em março, Ana Escobar, colunista do G1 e consultora do programa “Bem Estar”, falou sobre os possíveis benefícios do ômega 3 na saúde.

Fonte: www.globo.com

Comentários