Policial 

Crianças são mantidas reféns pelo padrasto em Cafelândia

Duas crianças são mantidas reféns pelo padrasto desde do início da tarde desta segunda-feira (02) na cidade de Cafelândia. Segundo informações o Pelotão de Choque da Polícia Militar de Cascavel chegou ao local e juntamente com outras equipes da Polícia Militar do destacamento local fizeram as primeiras tentativas de negociações para a rendição do homem.

Policiais do BOPE (Batalhão de Operações Especiais) de Curitiba chegaram às 22h desta segunda-feira (02) para dar apoio a ocorrência.

Irredutível. Essa é a palavra usada pelas forças policiais para descrever o comportamento do homem de 39 anos que faz há mais de 18 horas os dois enteados de 12 e 14 anos reféns. A movimentação policial na cidade pequena e pacata chama a atenção de todos os moradores. As equipes do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais) de Curitiba estão tentando uma negociação com o homem para que liberte os reféns em segurança e se entregue as autoridades policiais, porém apesar da insistência, sem sucesso.

Os militares nesta manhã de terça-feira (3) estão na porta da casa, o isolamento é distante de onde ocorre o cárcere, mas os negociadores tentam deixar o homem tranquilo e o motivo do extremo ainda é um mistério, pois ele pouco fala e não conta o que levou a prender os adolescentes, os quais convive há anos.

O cárcere começou por volta das 13h30 de segunda-feira (2), a família começou uma negociação com o padrasto, mas por estar sem interesse em negociar, a Polícia Militar então foi chamada – isso por volta das 15 horas. De lá para cá, cada passo foi pensado para que se evite uma tragédia.

Durante a madrugada os dois adolescentes, segundo o major Jorge Aparecido Fritola da Polícia Militar, chegaram a dormir, mas o suspeito ficou em conversas o tempo todo com as equipes sem descansar.

Comportamento do sequestrador

As negociações com a equipe de Curitiba começaram no fim da noite de segunda-feira (2), o homem se mostra instável, com picos de agressividade. Em certos momentos está tranquilo e calmo, em outros apresenta-se irredutível.

O padrasto teme a possibilidade de invasão das forças policiais no local. O major garante que a negociação vai durar o tempo que for preciso para tirar todos em segurança. Ações extremas só serão utilizadas em “Iminente risco de vida”.

Fonte: Catve/CGN

Compartilhe!