Com o coronavírus, setor de serviços registra segundo maior tombo da história no Paraná

Com o coronavírus, setor de serviços registra segundo maior tombo da história no Paraná

Embora a crise do coronavírus tenha se instalado no Paraná apenas em meados de março, foi o suficiente para que o setor de serviços no Estado registrasse o segundo maior tombo na série histórica da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), iniciada em janeiro de 2011 e cujos dados do penúltimo mês, divulgados ontem pelo IBGE, apontam uma redução de 5,4% no volume de serviços contratados no estado.

Segundo a pesquisa do IBGE, depois de começar o ano com crescimento de 1,2%, o setor já havia visto encolher no mês seguinte o volume em 1,2%. Com a chegada do coronavírus, entretanto, o tombo em março acabou sendo ainda mais signiticativo e só não foi pior do que o registrado em maio de 2018 (-9,0%).

Naquela ocasião, o resultado negativo acabou sendo fortemente influenciado pela greve dos caminhoneiros, que ocorreu nos últimos dez dias de maio de 2018. No mês seguinte, porém, o setor já esboçou uma recuperação com alta de 10,4%. Algo altamente improvável que venha a se verificar em abril ou mesmo em maio deste ano, tendo em vista a evolução da crise do coronavírus.

Gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo explica que o resultado de março reflete, em grande parte, as paralisações que aconteceram nos estabelecimentos, sobretudo restaurantes e hotéis e principalmente nos últimos dez dias do mês de março, quando começaram as paralisações. A nível nacional, inclusive, o setor se prestação de serviços às famílias registrou a queda mais intensa desde o início da série histórica, de 31,2%, ao passo que transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio tiveram redução de 9%, a segunda mais intensa da série, atrás apenas de maio de 2018.

“Aos poucos os governos locais foram tomando medidas mais fortes no sentido de se praticar o isolamento social e com isso algumas empresas de setores considerados não essenciais, como restaurantes, acabaram tendo que funcionar de forma parcial, muitas vezes migrando para o sistema de delivery, mas os hotéis não têm essa opção e acabaram fechando”, explica o gerente.

Ao todo, 24 das 27 unidades da federação também tiveram resultados negativos em março na comparação com fevereiro. Em todo o país o volume de serviços caiu 6,9%, enquanto os destaques (negativos) regionais foram São Paulo (-6,2%) e Rio de Janeiro (-9,2%), pressionados pelos segmentos de alojamento e alimentação. Os únicos impactos positivos vieram do Amazonas (1,9%), de Rondônia (3,1%) e do Maranhão (1,1%).

Bens industriais
O consumo aparente de bens industrializados caiu 11,9% em março deste ano na comparação com fevereiro. A informação foi divulgada ontem, no Rio de Janeiro, pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e mede tanto a demanda pela produção interna do Brasil quanto as importações de bens industriais.

Informações do Bem Paraná